RSS

Videoclipe – Edição e Montagem

Esse videoclipe foi meu trabalho na aula de Edição e Montagem.

A música utilizada é a “de Deus não se zomba” da banda Fruto Sagrado. As cenas foram tiradas dos filmes “O principe do Egito”, “Eu, robô” e “O resgate do soldado ryan”, além de alguns videos de interludio da série de jogos Medal of honor.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Uncategorized, Videos

 

Do herói ao fim – Parte I

Parte I

E no castelo
se fazia uma assembléia
com um divulgador
e dozes ouvintes
e tramavam sobre como
matar o único herói da cidade

Faremos uma emboscada
em um local escuro
com luzes focadas no rosto
de nosso herói
e um som estridente
queremos tirar-lhe
cada sentido
essa é a meta
deixaremos-o
cego, surdo e mudo.

E naquela assembléia
como em qualquer outra
havia um traidor
uma pessoa capaz de
fazer tudo que lhe é possível
para adquirir o melhor
de cada pessoa para si.

Um traidor…
O que lhe fosse melhor…
Em uma assembléia…
A missão já lhe era a posta
E agora como lhe identificar?
A caçada está pra começar…
Em breve som de tiros se ouvirá…

continua…

Silas Santos

24/06/09

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Poesia, Uncategorized

 

Do herói ao fim – Parte II

Parte ||

Nosso herói se encontrava na floresta
Ele andava inconformado
com as dissidências do seu senhor feudal
por acaso há nobre gentil e próspero nesse mundo?
Só a dor e a vontade de saber a verdade
lhe dava forças pra viver
ó nobre donzela que lhe entregaste a vida
por sua liberdade
Isso ele nunca poderá entender!!!

No futuro ele não podia pensar
tudo lhe sobrevinha de um modo tão obscuro
Este é seu destino
seu fado
sua indignação
a falta de requerimentos lhe encobria de virtudes
prosperar, nisso nunca irei pensar

Amanhã, ó povo meu
estaremos em outra terra
precisamos de mais mantimentos
pois os impostos cobrados pelo senhor dessas terras
sobe a cada dia
procurai então, um senhor mais justo e se possível
bondoso
Seu povo lhe respeitara
e acatara tal nobre e difícil decisão

Nosso herói é popular…
Nosso herói sabe onde deve nos levar…
Mas, que tão bom povo…
Seu destino deve ser algo bem decidido!!!???

continua…

Silas Santos

27/06/09

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Poesia, Uncategorized

 

Do herói ao fim – Parte III

Parte III

Nesta terra
não há titãs
tão sobra jovens
sem sonhos
e facilmente controláveis
há um soberano
há um vice-soberano
e o herói é tido como um pai falido

ó nobre acatai tais vassalos
estamos com fome
estamos feridos
tantos povos estavam em tais situações
mas, não aquele povo
que conta com o amor
e o comando de um herói

seremos recompensados???
desejais ouro???
desejais prata???
desejais comida!!!

com a viagem do herói
seu povo crescia
pois nele havia comida
nele havia bondade
nele havia vontade
na caminhada as terras do sul…

chegaram ao portão
na esperança de uma boa recepção
eis que os portões se abriram
quão nobre deves haver
atitudes boas ou más???
o povo clamara por boas ações…
e o herói erguera-se e tomara a frente.
o destino irá decidir…

continua…

Silas Santos

02/07/09

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Poesia, Uncategorized

 

Do herói ao fim – Parte IV

Parte IV

Desde a assembléia…
se passaram 2 meses
o mesmo tempo que
levou nosso herói
até chegar a nova terra
ao sul da majestosa Inglaterra
terra de nobres e reis
terra que lhes fornece o pão
terra onde lhe és incubido viver

O portão se abrira…
Nosso herói adentrou
Tamanha semelhança com a outra terra
fez ele quase desistir
de pedir abrigo ao senhor feudal
mas, virando seu rosto ao povo
pode ver sua escolha
e decidira ficar.

O herói foi de encontro ao senhor
lhe oferecendo vassalagem e
nobre virtude que é a fidelidade
de permanecer mesmo perante
a uma guerra
desde que suas vontades lhe fossem
acatadas com veemência
e beijou a mão do nobre.

Do mesmo jeito nosso herói agira
com todos os outros senhores
ao qual já pertenceu…
Fidelidade
não é a virtude mais vista na doce
Inglaterra
a terra onde lhes fornece o pão…
a terra de onde nasceram…
e pretendem padecer…
ó nobre
o povo lhe clama como rei!!!
escutai nossas petições!!!
e fazei-nos justiça
ao qual lhe aprouver de juízo.

A concessão lhe fos feita
e as nobres ferramentas lhe foram dadas
a inxada, o prego, o martelo
o arado, a porção de terra
a água, as sementes
vosso deus lhe deu a força
vosso deus lhe deu tão nobre terra
vosso deus lhe deu o amor
se achais ouro todo ele é do senhor
que repartira da sua bondade com o rei
se achais boa safra
um banquete será oferecido no castelo
para o rei e alguns nobres convidados
acates as leis
que nada se diferenciam
e serás bem querido em minha terra
e tudo isso…
o herói terá que concordar
até o fim de seus dias…

continua…

Silas Santos

04/07/09

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Poesia, Uncategorized

 

Do herói ao fim – Parte V

Parte V

A partilha…
Nosso herói suara
se fatigara
e o coração lhe apertara.
Ele esperava mudar de vida
lânguido, auspicioso, inconivente aristocrático
perito em desintegração monástica
o rei, ele é mal?
Meu senhor, ele é mal?

continua…

Silas Santos

08/07/09

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Poesia, Uncategorized

 

Do herói ao fim – Parte VI

Parte VI

O rei dara um decreto
de sua chegada as terras do sul
do senhor feudal
senhor do herói
O rei fazia projetos de destruir
a bondade do herói
pois se ele quer defender seu povo
ele terá que provar que é bom

A entrada do rei no feudo
se deu com vaias dos vassalos
mas, ao avistar o herói
o rei desceu de seu cavalo
e foi ter com ele
propondo-lhe um desafio
por sua honra
no propósito de resgatar
a confiança de seu povo

E o herói não exitou
pois mesmo para ele
seria uma honra ter com o rei
mesmo que na sua vergonha
ou morte
pois isso valia por uma vida
e se ganhasse ele teria
o que desejava
uma mudança de vida completa

E o desafio se daria pela manhã
do dia seguinte

O rei se acomodou em um
dos alojamentos do feudo
para descansar para o dia
que lhe aguarda
grande desafio para os dois

O herói foi ter com seu senhor
em busca de uma boa espada
negociações, são sempre demoradas
aguardem…

continua…

Silas Santos

11/07/09

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/06/2011 em Poesia, Uncategorized